3 de dezembro de 2009

Hora de refletir.

Já estamos em clima de Natal e as festas de final de ano. Buscando uma imagem no Flickr sobre o Natal me deparei com uma mensagem que interroga o consumismo e materialismo, que nos faz refletir como nos preparamos e principalmente como encaramos essa época especial. Leia, vale a pena!

'Ah, o Natal! Novamente chega a temporada máxima de comemorações do nascimento do deus Grana, anunciado por seu mais fiel e representativo apóstolo, o Papai Noel!
Como é maravilhoso o Natal! É a renovação da fé no capitalismo, manifestada pelo espírito natalino através das mais variadas formas de devoção: há a peregrinação às mecas do dinheiro, ou shopping centers; há a auto-flagelação dos pés, que serão invariavelmente pisoteados em lojas lotadas; há o teste da fé dos fiéis, manifestado pela espera nas filas que há para qualquer coisa (entrar, sair, sentar, ficar em pé, pagar, sair sem pagar, enfim, tudo), e por fim, o parcelamento em 12 vezes no cartão assegura o exercício da fé durante todo o ano!

No Natal, tudo muda. A começar pelo clima: neve começa a cair em plena Amazônia (quem nunca brincou de guerra com bolas de neve?), as pessoas são obrigadas a botar casacos pesados e de repente pinheiros plásticos gigantes brotam da terra como bolor em pão velho de uma semana! Renas tipicamente tropicais aparecem pela cidade e todos comem frutas típicas como castanha portuguesa, nozes, avelãs e pêssego. Tudo incrivelmente amazônico. Não é um milagre isso?

O Natal também é maravilhoso pelo calor humano. Tudo fica mais cheio: as ruas, as calçadas, os ônibus, o comércio, os shopping centers, a cidade, a sua casa; aliás, só o que fica vazio é a conta bancária. Que maravilha é as pessoas se atropelarem na busca de uma lembrancinha, à procura de uma vaga pra estacionar ou de um banco pra sentar no ônibus, tentando pegar aquele último pedaço do peito do chester ou até mesmo pra pegar um lugar melhor na fila de uma loja que vende produtos piratas, só pra dar uma coisinha pras crianças!
O Natal une até mesmo pessoas desconhecidas em prol de uma causa comum, isto é, comprar, comprar e comprar. Isso ocorre através do amigo secreto, razão única para que uma pessoa sã compre maravilhosas gravatas furta-cor, incríveis pares de meias descartáveis, imitações perfeitas de canetas Mont Blanc, utilíssimas agendas universais e leitura de auto-ajuda de qualidade!
E nem falei das comidas: peru, farofa, frutas, bacalhau, torta alemã, bolo, enfim, todas aquelas coisas caras que ninguém tem dinheiro pra comprar durante o ano todo são adquiridas no Natal, para honrar a sagrada fé do Capitalismo. Há manifestação mais bela da crença no dinheiro do que o Natal?
Por isso o Natal é uma época extremamente gratificante. Mas só há recompensa para aqueles que agradam ao capitalismo, ou seja, só pra quem gasta algum dinheirinho com qualquer besteira que seja. Afinal, por que outro motivo Papai Noel não visitaria as crianças pobres?
Por isso amigos, desejo-lhes um feliz dia do Papai Noel, que você coma e beba muito e que ganhe uns presentes muito bacanas! E espero que tenha gastado bastante também, que é assim que a humanidade vai encontrar a paz mundial e a felicidade eterna -- ao menos até que se enjoe dos presentes do Natal passado e tenha que se começar tudo de novo!'

Fonte: http://www.flickr.com/photos/brenopeck/328627231/

3 comentários:

Ubi disse...

Parabéns Fernando cada vez mais seus teus me surpreendem com tanta beleza e hj com essa espiritualidade natalina,siga em frente belo trabalho primo,abraços.

Ubi disse...

Parabéns Fernando cada vez mais seus textos e trabalhos me surpreendem com tanta beleza e hj com essa espiritualidade natalina,siga em frente belo trabalho primo,abraços.

Blog do Fer disse...

Obrigado! Esqueceu de assinar o nome.